6.11.08

Eleitores também são autores

O eleitor, como todo público que se preze, de qualquer espetáculo, quer ser o autor da história. Ainda mais quando se trata da sua própria.

E, quando acredita que essa autoria seja realmente possível, é capaz de ficar 5 horas numa fila para votar, ligar centenas de vezes para o 0300 do BigBrother e viajar 500 quilometros (como já fiz quatro vezes) para votar num personagem que apresenta a comovente possibilidade de vencer a distância entre o sertão de Garanhuns e o poder máximo de Brasilia.

O público-autor SEMPRE sabe votar e escolhe os melhores personagens. (mesmo que os melhores personagens não se tornem os melhores presidentes).
Nesse sentido, a disputa da última semana nos EUA foi páreo duro: o negro sem mágoa, que venceu preconceitos e que mantém o sorriso de quem já perdoou os que não sabiam o que faziam, e o herói de guerra, mais contido, disfarçando o sofrimento de quem sobreviveu ao inferno por amor ao país.
O charme da minoria versus a bravura do militar torturado.
Denzel Washington versus Kevin Costner.
Sidney Poitier versus Steve McQueen.

Só que os filmes de guerra, principalmente do Vietnã, são so eighties e a questão racial mobiliza muito mais o imaginário americano atualmente. Vide as dezenas de filmes com presidentes negros produzidos na última década -- com destaque para a série 24horas, que não só colocou dois mandatos de David Palmer, sucedido por seu irmão Wayne, como escolheu o único presidente branco para ser o grande vilão da 4a. temporada.

Abaixo, a galeria de presidentes negros da ficção americana, que precederam Obama:
David Palmer, "24horas" - duas temporadas.

Wayne Palmer, "24 horas"

Cris Rock, "Golpe de Estado"

Tommy Lister, em "Quinto Elemento"

E, lá em cima, Morgan Freeman, em "Impact".

4 comentários:

patricia disse...

Como assim?????

Não sabia que tinhas um blog.

Eu também fiquei louca com essa eleição. Assisti às convenções, principalmente a democrata, e fiquei acordada até as 3:30 da manhã de quarta-feira esperando a CNN Projection da vitória (que aconteceu assim que as urnas foram fechadas na Costa Oeste e ficaram autorizadas as projeções) e o discurso do Obama no Grand Park em Chicago :o)

Muito maneiro. History in the making...

Bjss

Angélica Lopes disse...

Muito desatualizada sobre blogs, garota!!
bjssssss, lindona.

krika disse...

Nossa Angélica,vc está ficando piradinha sem empregada e nem responde meus comentários...Quer minha empregada emprestada? rs...
bjs
krika

Paula disse...

Qualquer semelhança com "fatos" ficcionais é mera coincidência?
A vida imita a "arte"...