15.5.08

Matei meu Dente - parte 2 (desculpem, mas a dor leva à obsessão, UI!)

Sabem o que é aumento de coroa clínica?
O dentista corta sua gengiva em volta de um dente você não tem mais, cavuca, raspa, modela o osso do seu maxilar para fingir que seu dente começava ali, tudo para poder aninhar uma prótese e te dar a ilusão de que você não está envelhecendo e de que seu corpo não está num caminho sem volta que todos sabemos qual é o fim.
Sábado, enquanto tomava caldinho de feijão gelado, e estava à base de dipirona e ponstan, tive saudade do tempo das cavernas...

Se eu fosse uma reles uga-uga, meu dente já teria saltado fora lá pelos meus 13 anos, mastigando um pernil de javali cru ou chupando a carapaça do tatu.

Talvez, eu nem tivesse chegado aos 36 anos para contar essa história.
Luzia, a primeira brasileira, jamais sofreu as agruras de um aumento de coroa clínica.
Abaixo a civilização!

4 comentários:

Mari Martins disse...

Aff, que sacoo!
Quando tira os pontos?

A capa do Micos de Micaela tá liiiiiiiiiindo!! Muito foofo! Super diferente do outro!

beeijo !

Lá Cristina disse...

Nossa!
Como é dramatica a pessoa!

Vamos combinar, não como não ser... dor de dente, dentista e tudo relacionado é Uó!

Fernando disse...

Minha cara... o texto faz as pessoas pensarem que o seu Dentista Periodontista foi o culpado, ele certamente viabilizou o seu dente, devolveu uma estética provavelmente perdida... Agradeça o seu dentista, lembre-se que o dia dele será sábado 25/10. Sucesso e mais felicidade

Angélica Lopes disse...

Claro!
Eu simplesmente AMO a doutora Gabriela Vieira, que reformou meu dentinho bonitinho.

E a Dr. Debora, que foi a primeira a cuidar desse dente, quando ele rachou pela primeira vez com uma barra de cereais Trio de chocolate com castanha em 2003.

Elas são minhas idalas, artistas. Gabriela, então! Molda de lá, molde de cá. Acerta a cor, dá polimento. Eu disse: "vc tinha que ter um ateliê, não um consultório."

Meu dente é uma escultura e está hoje aqui, parecendo realmente meu, graças a ela.

Escrevi esse texto pensando mais na evolução dos tempos.

Há cem anos, um segundo molar era coisa que se perdia mesmo. Talvez para isso, existisse o terceiro, não sei. Se você for dentista, vc me diz.

Hoje, não queremos perder nada, não queremos a decadência do corpo, não queremos envelhecer, não morremos mais antes dos 40.

Então, para ter meu dente de volta, com a sensação de que não sou uma senhora de 36 anos, percorri um caminho de pelo menos 3meses, de consultas e intervenções, que não foram fáceis. Nem pra mim, nem para Dr. Gabriela, que suou na minha boca.
Coitada!

tks pelo comment
bjs