19.6.08

MANUAL DA DONA-DE-CASA MONGA - Lição de hoje: Passar roupa

Para quem acabou de sair da casa da mamãe e ainda está em pânico
Por uma questão de auto-preservação, a gente considera que vestir meias sujas e molhadas, deixar de comer e viver num ambiente porco podem representar risco à nossa saúde.

Mas, qual é o mal de andar por aí com a roupa amassada?
Nenhum.
Passar roupa é uma convenção social. Um tabu. Daí, nossa preguiça atávica.

Diante de uma roupa engruvinhada, a gente pergunta:
'Será que está muito amarrotada?'
Ao que o fiel amigo sempre responde:
'Que isso, está ótimo! "

Mentira dele! Está horrível e não custa nada dar uma passadinha.
Preliminares:
1. Tenha um ferro. Na casa da sua mãe, suas roupas apareciam milagrosamente passadas no armário, porque ela tinha um.
2. Escolha a superfície adequada, meio-dura, meio-mole, para se passar. Se tiver tábua e paciência para montá-la, ótimo. Se não, camas, poltronas e sofás cumprem a função.

3. Identifique o tecido que será passado. Se isso for demais para você, verifique pelo menos se trata-se de um tecido natural ou sintético, fino ou grosso. Sintéticos e finos são passados em temperatura baixa, naturais e grossos em alta. Escolha a opção do ferro de acordo com o tecido.

O ato de passar propriamente dito:
1 - Pense no ferro como um navio, que vai singrar os mares da sua roupa. A parte da frente, ou seja, a popa, é onde está sua força, seu poder térmico. A parte de trás - a proa - é onde ficaria o leme imaginário, que dá a direção. Pensando nisso, concentre a pressão sobre a roupa na parte da frente, e mude a direção movendo a parte de trás. Faça um teste com o ferro desligado para evitar naufrágios.

2. O esguichinho de água serve para borifar nas dobra persistentes. Mas ATENÇÃO: se o seu ferro tem esguichinho, isso significa que dentro dele existe um reservatório de água. Ou seja: se você virar o ferro de cabeça para baixo, terá que voltar duas casas.

DICAS:
- Quanto mais roupas sintéticas você tiver, menos terá que passar. Compre tud de nylon, microfibra, malha e afins.

- Assim que você tiver mais dinheiro, compre o ferro a vapor vertical. O mesmo que as lojas de roupa usam. Afinal, a maior preguiça não é realmente passar, e sim:
pegar o ferro,
desenrolar o fio,
se abaixar para colocar na tomada,
ficar curvada sobre a cama enquanto passa,
e SEMPRE (saco) lembrar de tirar ele na tomada!

Muita coisa para uma cabeça monga.
O ferro vertical não tem chapa quente, por isso, não queima ninguém,
você pode deixar ele na tomada dia e dias, e não vai precisar se abaixar nunca mais!
Um viva para essa grande invenção do mundo moderno.

4 comentários:

Querido Diário Otário disse...

haiushiauhs' que interessante !
Eu tenho 14 anos e sou eu que passo a roupa daqui de casa :D
Realmente é um saco ahsuas'
Ah eu gostei do teu blog.
Sinceramente nunca li um livro teu, mas eu estava dando uma espiadela aqui e como gosto muito de ler fiquei curiosa quantos aos livros (:
Vou procurar na biblioteca pública ;D
Beijos, gostei do seu espaço.
Volto mais vezes ;DD

angelica disse...

nao acredito que voce continue com esses problemas.

mamae

Angélica Lopes disse...

essa aí de cima é minha mãe.
ela me acha meio ridicula como vocês podem notar...

Bizoca disse...

Outra opção, que é o que tenho feito há 2 anos (com breves interrupções de períodos em que mami ou sogrinha estiveram hospedadas em casa e assumiram a responsabilidade de passar as minhas roupas):
Só tenha roupas que possam ir na máquina de secar. Jogue tudo lá e assim que acabar, tire as roupas ainda quentinhas da máquina e dobre logo.
Pontos negativos: 1. a conta de luz vai na estratosfera. 2. Tem que ficar prestando aternção quando o ciclo acaba. Se esfriar amarrota tudo (se bem que nesse caso, basta ligar mais 20 minutinhos antes de tirar da máquina)